Clima

Clima Julho 2014

Condições climáticas ocorridas e

tendências para os próximos meses

 

         Durante o mês de junho, observamos volumes de chuva muito acima da média histórica, na maior parte da Região Sul do Brasil. Os maiores volumes de chuvas foram observados entre o centro-norte do R.G.do Sul, centro-oeste de S.Catarina e centro-sul e oeste do Paraná. Nestas regiões os volumes acumulados durante o mês, passaram dos 400 mm em várias localidades, enquanto que, no extremo sul do R.G.do Sul e norte do Paraná os volumes acumulados de precipitação, não passaram dos 100 mm. Os maiores volumes de chuva ficaram concentrados nos primeiros 10 dias do mês, devido ao uma frente fria, que ficou estacionária sobre a região. As precipitações continuam com o mesmo padrão observado nos últimos meses, com uma distribuição muito irregular, concentrando grandes volumes de chuva em curtos períodos. Devido a este grande volume de chuvas, a maior parte da região vem apresentando excesso de umidade no solo.

 

           Foram observadas grandes variações de temperaturas no decorrer do mês. Tivemos a passagem de uma massa de ar muito fria, no início do mês, que provocou uma queda acentuada nas temperaturas e formação de geadas, nas áreas mais altas do R.G. do Sul, S.Catarina e centro-sul do Paraná. Já no final do mês observamos valores médios de temperatura acima da média histórica, na maior parte da Região Sul do Brasil.

 

         Com relação às temperaturas das águas da superfície do mar, continua   tendência de mudança, apresentando valores levemente acima do normal, no Oceano Pacífico Equatorial, passando de condições de “neutralidade”  para um novo “El Nino”, nos próximos meses, conforme podemos observar na figura 01. Os modelos de previsão climática, continuam indicando o estabelecimento do fenômeno climático “El Nino”, a partir do segundo semestre deste ano. As figuras de 02 a 05 mostram esta tendência.

 

         O fenômeno climático “El Nino” deve influenciar o clima dos próximos meses, ou seja, durante o segundo semestre deste ano. Sendo assim, para os próximos meses podemos esperar que as precipitações continuem com volumes acima da média, no sul do Brasil. Outra característica do “El Nino”, para o centro-sul do Brasil, é uma melhor distribuição das precipitações.

 

        As temperaturas devem continuar com estas variações bruscas, intercalando períodos um pouco mais quentes com quedas acentuadas de temperaturas no centro-sul do Brasil, conseqüência da entrada de massas de ar frio mais intensas, no decorrer dos próximos meses, que favorecem a formação de geadas mais significativas, nas áreas mais altas do sul do Brasil.

 

         Luiz Renato Lazinski

   Meteorologista/ INMET/MAPA

  Meteorologia 1

 Figura 01Anomalia da temp. da superfície do mar, semana de 22.06.2014 a 28.06.2014.         (Fonte: CPC/NOAA).

Meteorologia 2

Figura 02 – Prognóstico da anomalia da temperatura da superfície do mar – Julho/2014. (fonte: CPC/NOAA).

Meteorologia 3

Figura 03 – Prognóstico da anomalia da temperatura da superfície do mar –  Agosto/2014. (fonte: CPC/NOAA).

Meteorologia 4

Figura 04 – Prognóstico da anomalia da temperatura da superfície do mar – Setembro/2014. (fonte: CPC/NOAA).

Meteorologia 5

 Figura 05 – Prognóstico da anomalia da temperatura da superfície do mar –  Outubro/2014. (fonte: CPC/NOAA).